sexta-feira, 12 de março de 2010

Tentativa de escrever sobre "casa da minha avó"

Não se trata do que FOI a casa da minha vó, mas do que NÃO FOI. Tenho muitos carinhos de mão certeira, bolos fresquinhos, tenho o sótão assustador e o quintal do cachorro. Mas o que me prende agora é a não presença do meu avô e os pedacinhos que recolhi dele.

Poderia ser feito um quadro cheio de colagens e imagens em movimento (que eu imaginei): No centro poderia ter o sorriso do meu tio igualzinho ao dele na foto pequena e amarela; na parte de cima, o relógio de bolso que a minha irmã disse que ele usava; a cama de casal da minha vó estaria do lado esquerdo e embaixo apareceria a sua expressão quando o olhou pela primeira vez, depois de saber que aquele era o homem que haviam escolhido pra ela. Em algum canto teria uma plantação de milho, em algum outro o sofá que ele arrumou. Talvez entrasse também a minha mãe namorando escondido perto de uma antiga casa.

Dizem que ele morreu na rua da sua casa, quando saía para caminhar. Pelo que eu entendi, foi de repente, uma surpresa. Aí as pessoas dizem que quando algo É pra acontecer, acontecce. Eu não acredito, mas entendo o por quê disso ser dito. Cria-se uma ilusão de que as coisas da vida são planejadas, previamente organizadas para que tudo funcione muito bem, com sua justiça própria. Assim podemos ficar menos pesados ou culpados ou acabados.

Fico despedaçada, sem pistas certas, se é que elas existem. Até da minha própria vó que está viva, o que eu tenho dela são também pedacinhos, em maior quantidade, mas dentro de mais um quadro que eu fiz só com o que vi e com o que imagino dela. Eu não tenho o seu primeiro vestido nem suas brincadeiras de infância. Talvez eu não tenha nem o que ela vive hoje, numa quinta feira à noite. Nem sei o que ela pensa num domingo à tarde enquanto tira o lixo de casa.

E a gente acaba sendo isso mesmo. Um monte de fragmentos que deixamos por aí sem poder controlar, porque cada pessoa faz os seus quadros com colagens e suposições próprias. Deixamos um bom dia aqui que virou boa noite ali, uns pinguinhos de perfume com suor e outros de café derrubado no chão na hora errada. Não menos arbitrários do que umas folhas de árvore voando antes da chuva chegar de vez. E eu também sou só o que eu consigo ver.

5 comentários:

  1. Você é uma das pessoas mais fofas que eu conheço. E não no sentido de gordinha.
    Quanto ao texto: é engraçado: cria-se a ilusão de que as coisas da vida são organizadas. Mas um quadro de recortes das lembranças também se cria essa mesma ilusão. Gostei do texto. Do seu estilo direto. A imagem final principalmente.

    ResponderExcluir
  2. gostei muito de texto lilá lilás! queria tanto conhecer sua avózinha..rs

    ResponderExcluir
  3. quero mais textos.
    vou reclamar no procon.

    ResponderExcluir
  4. Acredito que (como fala o Lacan) você faz uso da: imaginaçao, o simbolo e a realidade... Adorei mesmo.

    ResponderExcluir
  5. ai que gostoso ler esse texto d novo...
    você é uma escritoraq e tanto

    ResponderExcluir

Alô, alô!